this ok Sentence
Viagra Generico Cialis Originale Kamagra 100 mg Kamagra Oral Jelly Acquistare Propecia Generico Test Pacchetti Generica Acquistare Viagra Strips Kamagra Oral Jelly Priligy Dapoxetina Generico Viagra Originale Kamagra Fizzy Tabs Acquistare Kamagra Soft Tabs Viagra Originale 100mg Levitra Generico Levitra Originale Acquistare Test Pacchetti originale viagra Levitra Soft Tabs Kamagra Fizzy Tabs Acquistare Viagra Soft Tabs
Forum Gralheira de Montemuro • Ver Tópico - Ecos da Gralheira: Os Emigrantes

Forum Gralheira de Montemuro

www.gralheira.net
Data/Hora: 17 out 2017, 14:24

Os Horários são TMG [ DST ]




Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 2 mensagens ] 
Autor Mensagem
 Assunto da Mensagem: Ecos da Gralheira: Os Emigrantes
Mensagem não lidaEnviado: 11 jul 2007, 23:17 
Desligado
Site Admin
Avatar do Utilizador

Registado: 04 nov 2006, 11:20
Mensagens: 113
Ecos da Gralheira: Os Emigrantes
Escreve: Carlos de Oliveira Silvestre

Emigrante é aquele que deixa a sua terra, a sua pátria, para ir trabalhar e viver noutro país, normalmente animado pela esperança de ali encontrar melhores condições de vida.
A Gralheira, como aldeia serrana e pobre, há muitos anos que vê os seus filhos saírem para outras paragens, para outros mundos, que lhes pareceram mais favoráveis, risonhos e atractivos. Primeiro, foi para o Brasil, de onde lhes chegavam notícias da árvore das patacas. Despediam-se da sua terra e da família, deixando atrás de si um rasto de lágrimas e saudades. Depois de uns meses de viagem de barco, lá chegavam a terras de Santa Cruz. Mas a árvore das patacas não estava lá. O que encontravam foi um monte de dificuldades, para se instalarem, para encontrar trabalho e sobreviver. Habituados ao sossego e tranquilidade dos montes, sentiam-se aturdidos no meio da grande cidade. E, quantas vezes à noite, no silêncio do seu quarto ou no desconforto de uma barraca, deixavam destilar na memória as mais belas imagens da sua aldeia? Eles, que saíram daqui, levando na bagagem sonhos, esperanças e saudades, passado algum tempo, só estas o acompanhavam. Os sonhos e esperanças já tinham desaparecido. E quantas vezes, no bulício da grande cidade, na vida agitada do dia-a-dia, o seu pensamento transpunha o Atlântico, fugia para estas bandas e vinha fixar-se na pequena aldeia que deixara nos contrafortes do Montemuro?

Muitos, trabalharam quanto puderam, dia e noite, com um único sonho e objectivo. Arranjar dinheiro para voltarem a Portugal, à sua terra. E foram aquelas saudades, que daqui levaram e que sempre os acompanharam, que cá trouxeram alguns, passados muitos anos. Vieram como peregrinos da vida, à fonte do baptismo, em busca de recordações da infância. Só que a aldeia que deixaram, entre lágrimas, já não era a mesma! Aquela aldeia cinzenta, de paredes graníticas enegrecidas e gastas pelo tempo, com coberturas de colmo, a confundir-se com a paisagem envolvente, já não existe, assim como muitas das pessoas que cá deixaram. Esse monstro, chamado progresso, transpôs serras e montanhas e chegou às aldeias mais recônditas e isoladas, como a nossa Gralheira. A aldeia cresceu, espreguiçou-se, com prédios novos a invadir campos e cabeços. As estrumeiras e chafurdes dos caminhos, deram lugar a calçadas modernas em cubos de granito e a telha substituiu o colmo. Muitas casas antigas foram reconstruídas e remodeladas. Mas, nem tudo o que era belo e tradicional se perdeu na voragem do tempo, nas ondas do progresso. Ainda se podem ver, na nossa aldeia, as águas límpidas e cristalinas, que correm e cantam nas fontes, córregos e ribeiros; as aves que fazem e refazem os seus ninhos; os moinhos que continuam a moer; os sinos, que tocam às Trindades e o povo que ainda reza e crê em Deus.

A emigração para o Brasil terminou na década de cinquenta do século passado. A partir de 1960, o grande êxodo foi para Lisboa. Só depois de 1974, começou a emigração para a Europa, mais propriamente para a Suíça. Não sei o número exacto, mas talvez mais de cem pessoas saíram da Gralheira, para trabalharem na Suíça. É uma comunidade muito forte e unida, sem nunca esquecer a terra onde nasceram. E ao contrário dos emigrantes antigos do Brasil, é lhes mais fácil comunicar e visitar a sua terra. Vêm, normalmente, duas vezes por ano, em Maio e Outubro e é em Maio que fazem a festa do emigrante, numa demonstração de bairrismo e amor à terra mãe. Integrada nessa festa, fazem também a da Senhora da Guia, com Missa solene e procissão, implorando a sua protecção, nas constantes viagens que fazem para a Suíça e vice-versa. Graças a estes emigrantes a Gralheira tem crescido muito, com novos e bonitos prédios e têm dado trabalho aos que cá ficam, a trabalharem na construção civil.

Que Deus os proteja e que em breve possam regressar de vez, como é seu desejo.

Gralheira, 23 de Maio de 2007
Carlos de Oliveira Silvestre

Ecos da Gralheira, Jornal “Miradouro” Nº 1612 III Série, 6 de Julho de 2007


Topo
 Perfil Enviar Mensagem Privada  
 
 Assunto da Mensagem:
Mensagem não lidaEnviado: 29 fev 2008, 21:48 
Vem ai mais umas ferias de maio e com elas mais uma festa do Emigrante esperemos que este ano o sol brilhe
para que os EMIGRANTES SE DIVIRTEM e que deus esteja com eles porque e muinto difcil estar longe da aldeia que amamos que neste caso é a GRALHEIRA


Topo
  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 2 mensagens ] 

Os Horários são TMG [ DST ]


Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante


Criar Tópicos: Proibido
Responder Tópicos: Proibido
Editar Mensagens: Proibido
Apagar Mensagens: Proibido

Ir para:  
cron
Desenvolvido por phpBB® Forum Software © phpBB Group
Traduzido por phpBB Portugal