this ok Sentence
Viagra Generico Cialis Originale Kamagra 100 mg Kamagra Oral Jelly Acquistare Propecia Generico Test Pacchetti Generica Acquistare Viagra Strips Kamagra Oral Jelly Priligy Dapoxetina Generico Viagra Originale Kamagra Fizzy Tabs Acquistare Kamagra Soft Tabs Viagra Originale 100mg Levitra Generico Levitra Originale Acquistare Test Pacchetti originale viagra Levitra Soft Tabs Kamagra Fizzy Tabs Acquistare Viagra Soft Tabs
Forum Gralheira de Montemuro • Ver Tópico - "Ecos da Gralheira" em época de Natal

Forum Gralheira de Montemuro

www.gralheira.net
Data/Hora: 25 set 2017, 14:10

Os Horários são TMG [ DST ]




Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 1 Mensagem ] 
Autor Mensagem
Mensagem não lidaEnviado: 25 dez 2007, 23:42 
Desligado
Site Admin
Avatar do Utilizador

Registado: 04 nov 2006, 11:20
Mensagens: 113
Ecos da Gralheira em época de Natal

Os bons Vizinhos


Guilherme e Maria formavam um casal com cinco filhos de tenra idade; três rapazes e duas raparigas. Ele, almocreve de profissão, ela, vendedeira de produtos diversos, pão, ovos, manteiga, etc. A zona de acção de ambos ia da Régua a Cabril e de Mosteirô a Castro Daire, além de outras paragens. A mulher, de canastra à cabeça e o homem, carregando as mercadorias no dorso das mulas.

Estávamos nos primeiros anos da década de 1930. Tempos difíceis para as famílias pobres, como a do almocreve Guilherme. A sua habitação era composta por duas casas toscas, de granito mal alinhado, onde o vento e o frio não pediam licença para entrar. A separá-las uma estreita rua de lajedo, a que chamavam as fragas. De um lado, ficava a sala, no primeiro andar, onde dormiam alguns membros da família. No rés-do-chão acomodavam-se as mulas, com feno na manjedoura. Do outro lado da rua, era a cozinha, sem divisões, mobilada com duas camas, uma caixa, uma mesa de descer sobre a lareira, um louceiro (armário para louça), o caneco da água e pouco mais.

Encostada a uma das paredes, do lado sul, ficava a casa do casal Pedro e Ludovina, ainda jovens, com dois filhos menores, um rapaz e uma rapariga. Nessa parede havia um buraco por cima da lareira, por onde comunicavam, quando tinham necessidade de falar, buraco que, depois, tapavam com um farrapo. A sua pobreza era semelhante à do casal Guilherme, embora com profissão diferente, já que trabalhavam na lavoura. Esta profissão permitia-lhes estar sempre mais perto dos filhos, enquanto os vizinhos, chegavam a casa muitas vezes de noite, deixando-os entregues ao destino da sorte. Durante o dia, entretinham-se na brincadeira com os demais, mas, chegada a noite, quando as sombras envolviam em trevas a sua pobre casita, sentiam medo, encolhiam-se na cama como raposinhos órfãos na sua toca, sem conseguirem sequer acender a candeia, por falta de fósforos. Mal começavam a chorar, logo acorria em seu auxílio a tia Ludovina ou a tia Inésia, também vizinha, munidas de uma carqueja, com brasas em cima, para lhes acender a lareira e também a candeia. Depois, davam uma malga de caldo a cada um e metiam-nos na cama. Quando os pais chegavam, preocupados com os filhos, sentiam-se felizes e gratos, por saberem que os vizinhos tinham cuidado deles.

Na véspera do Natal, o casal Guilherme não costumava sair para longe, a fim de poder passar a Consoada com os filhos. Mas, naquele ano de 1931, os temporais e nevões não lhe permitiram fazer os seus negócios de Natal atempadamente. Porém, o dia 24 de Dezembro surgiu de bom tempo, propício para a viagem até terras do Paiva, onde iriam vender certos produtos que só na quadra do Natal conseguiam vender e trazer outros de volta que, normalmente, as gentes generosas do vale do Paiva lhes ofereciam, nesta época do ano. Carregadas as mulas, lá foram, serra fora, até Parada, Cabril e outras terras da zona.

Só que, a meio da tarde, o mau tempo voltou e em breve a serra começou a cobrir-se de branco. Retomada a viagem de regresso e deixadas para trás as terras ribeirinhas, chegaram às Portas de Montemuro já com muita neve. O vento e o granizo sacudiam os seus corpos gelados e na escuridão da noite, que entretanto caíra, mal conseguiam atinar com o caminho que os devia conduzir à Gralheira, ao seu lar, onde cinco crianças os esperavam, aflitas e ansiosas, naquela noite de Natal.

Mas os vizinhos não os deixaram sós. Levaram-nos para sua casa, sentaram-nos à volta da lareira e foram-lhes dando algumas iguarias, que só naquela noite se comiam. Na lareira havia alguns "mezelos" para as crianças se sentarem. Como não chegavam para todas, a rapariga da casa disse para os hóspedes:
"-Alguns de vós têm que se sentar no chão, porque o meu irmão traz umas calças novas e não pode sujá-las," ao que um deles respondeu:
"Eu também tenho um remendo novo no joelho das calças; também não me posso sentar no chão."
Chamavam "mezelos" a um pedaço de madeira que tiravam das cambas das rodas dos carros, em forma de meia lua e que serviam para as crianças se sentarem à lareira.
Mas, apesar de bem acolhidos e alimentados, a ausência dos pais, a incerteza do que lhes poderia acontecer naquela noite de tempestade, atormentava-os. Depois, esperavam também que os pais lhes trouxessem algumas coisas, como pinhões, figos e outras guloseimas, que lhes costumavam trazer e que cá não tinham.

E foi no meio desta ansiedade que ouviram o tropel das mulas no caminho, embora abafado pela neve que cobria o lajedo. Soltaram um grito de alegria e correram à rua a abraçar e beijar os pais, também eles doidos de contentamento. Os vizinhos, preocupados com a sua ausência a horas tão tardias, foram também manifestar-lhes a sua ansiedade e agora alegria, por os terem de volta. Como já era tarde para acenderem a lareira e fazerem a ceia da consoada, os vizinhos convidaram-nos a comer e a passarem aquela noite com eles.
Do alforge das mulas saíram castanhas, pinhões e figos, distribuídos agora por sete crianças, doidas de felicidade. Não pensavam em prendas no sapatinho, coisa que desconheciam e também porque nem as casas tinham chaminés, nem elas tinham sapatos, apenas os tamancos que julgavam não servirem para essas coisas.

Assim, passaram aquela noite de Natal, talvez a mais feliz. O casal Pedro e Ludovina, pelo bem que fizeram; Guilherme e Maria, agradecidos por terem tão bons vizinhos e as crianças, por terem passado aquela noite juntas.

Gralheira, 27 de Novembro de 2007
Carlos de Oliveira Silvestre

"ECOS DA GRALHEIRA" Jornal Miradouro Nº 1623 de 21 de Dezembro de 2007


Topo
 Perfil Enviar Mensagem Privada  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 1 Mensagem ] 

Os Horários são TMG [ DST ]


Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante


Criar Tópicos: Proibido
Responder Tópicos: Proibido
Editar Mensagens: Proibido
Apagar Mensagens: Proibido

Ir para:  
cron
Desenvolvido por phpBB® Forum Software © phpBB Group
Traduzido por phpBB Portugal