this ok Sentence
Viagra Generico Cialis Originale Kamagra 100 mg Kamagra Oral Jelly Acquistare Propecia Generico Test Pacchetti Generica Acquistare Viagra Strips Kamagra Oral Jelly Priligy Dapoxetina Generico Viagra Originale Kamagra Fizzy Tabs Acquistare Kamagra Soft Tabs Viagra Originale 100mg Levitra Generico Levitra Originale Acquistare Test Pacchetti originale viagra Levitra Soft Tabs Kamagra Fizzy Tabs Acquistare Viagra Soft Tabs
Forum Gralheira de Montemuro • Ver Tópico - A Casa Negra

Forum Gralheira de Montemuro

www.gralheira.net
Data/Hora: 22 nov 2017, 13:49

Os Horários são TMG [ DST ]




Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 1 Mensagem ] 
Autor Mensagem
 Assunto da Mensagem: A Casa Negra
Mensagem não lidaEnviado: 10 dez 2008, 20:40 
A Casa Negra

Quem, na primeira metade do século passado, saía da Gralheira para oeste, passando pelo Penedo da Saúde e seguindo um caminho sinuoso, ladeado por giestais, searas, tapadas e lameiras, até ao lugar das Murganheiras, encontrava um edifício negro, de dois pisos, com paredes de granito e cobertura de telha, coisa rara nessa altura, por estas bandas, já que as casas na Gralheira eram quase todas cobertas de colmo. A sua construção remonta aos fins do século dezanove e terá sido mandado construir por um major do exército, que, sendo vítima da terrível tuberculose, aqui encontrara alívio e cura, para tão grave doença.

Um dos sobreviventes da banda de música que houve na Gralheira, entre os anos de 1922 e 1940, agora com 101 anos de idade, conta que um dia foram tocar à Casa Negra, a convite do tal Major.
O nome Casa Negra, proveio do facto de a terem pintado de preto, certamente para a isolarem das humidades, já que era de parede singela, em pedra bastante porosa. Por isso, erguia-se no meio do carvalhal como um fantasma e com histórias arrepiantes a seu respeito.

A casa era habitada só no verão. Durante o inverno, ficava abandonada e então as pessoas mais idosas, para assustarem as crianças, diziam que, no inverno, morava lá o diabo, já que pintavam este da cor da casa. A miudagem olhava o prédio de longe, como coisa tenebrosa. Certo dia, um rapazito foi mandado pelos pais, guardar as vacas numa lameira próxima da Casa Negra. O rapaz não tirava os olhos da casa, sempre a ver quando dali vinha alguma desgraça.
Nessa altura, o prédio já estava abandonado e em ruínas, sem portas e janelas. Alguém entrou dentro, subiu ao primeiro andar e do vão de uma das janelas, acenou com uma das mãos ao moço. Este, ao ver aquilo, julgou ser o mafarrico, fugiu espavorido e chegou a casa quase morto.

Depois do Major, essa casa foi ainda habitada, durante o verão, pelo conhecido engenheiro comunista Mem Verdeal, que, tendo pessoas na família a sofrer da tuberculose, aqui encontravam alívio para essa doença e também refúgio das perseguições políticas.
A casa ficava a quase um quilómetro de distância da povoação e era aqui, no povoado da Gralheira, que tinham de se abastecer dos bens alimentares. Junto à casa, no terreno envolvente, existe uma nascente de água, onde se abasteciam também. Como o engenheiro e a família não eram católicos, não baptizavam os filhos, mas a criada, uma rapariga da Gralheira de nome Isaura dizia que os filhos estavam todos baptizados, porque ela trazia-os à Igreja, deitava-lhes água-benta e dizia as palavras sacramentais:
- "Eu te baptizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo". Isto sem conhecimento dos pais das crianças.

A casa e o terreno foram depois vendidos a um tal Carriço da Gralheira que começou por lhe tirar a telha, para uma casa que construiu na povoação e que hoje é da sua neta Rosinda Fonseca Saraiva. Ainda é da minha lembrança haver na Gralheira apenas três casas cobertas de telha; essa, que agora é da Rosinda e mais duas, a do Sr. Pinto e a do Sr. Moisés, além da Igreja e da Capela. As restantes eram todas cobertas de colmo. Hoje, dessas, só há uma e não será por muito tempo.
As pedras da Casa Negra foram também retiradas para outras construções na povoação, restando-lhe apenas os alicerces.

O engenheiro Mem Verdeal passou depois a viver em Bigorne durante o Verão e veio a falecer poucos dias antes do 25 de Abril de 1974. Não chegou a ver a liberdade por que tanto lutou e tanto ambicionava. A criada que, segundo ela, lhe baptizou os filhos, foi algumas vezes visitá-los a Bigorne. Ia descalça até à Ponte de Gosende. Aí calçava as meias e as socas, mas como não tinha ligas para segurar as meias, atava-lhes umas vergas de giesta. Isto testemunhado por pessoas, suas companheiras de viagem.

Ainda há poucos anos, veio cá uma senhora idosa, acompanhada de uma filha, para visitar o lugar das Murganheiras, onde vivera na Casa Negra. Já não sabia o caminho e pediu a uma mulher daqui que lho ensinasse. Foram até lá e ao chegar ao local, com as lágrimas a correrem-lhe no rosto, disse para a filha:
-"Agora já posso morrer, porque já visitei o que mais queria na vida".
Foi ver a fonte, o tanque e o regato onde lavava. Era da família Verdeal, se esposa, filha, irmã, não sei. Deu 50 escudos à mulher que lhe ensinou o caminho e foi-se embora.


Jornal Miradouro Nº1646 3ª série
Gralheira, 10 de Outubro de 2008
Carlos de Oliveira Silvestre


Topo
  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 1 Mensagem ] 

Os Horários são TMG [ DST ]


Quem está ligado:

Utilizadores a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 2 visitantes


Criar Tópicos: Proibido
Responder Tópicos: Proibido
Editar Mensagens: Proibido
Apagar Mensagens: Proibido

Ir para:  
cron
Desenvolvido por phpBB® Forum Software © phpBB Group
Traduzido por phpBB Portugal