this ok Sentence
Viagra Generico Cialis Originale Kamagra 100 mg Kamagra Oral Jelly Acquistare Propecia Generico Test Pacchetti Generica Acquistare Viagra Strips Kamagra Oral Jelly Priligy Dapoxetina Generico Viagra Originale Kamagra Fizzy Tabs Acquistare Kamagra Soft Tabs Viagra Originale 100mg Levitra Generico Levitra Originale Acquistare Test Pacchetti originale viagra Levitra Soft Tabs Kamagra Fizzy Tabs Acquistare Viagra Soft Tabs
Forum Gralheira de Montemuro • Ver Tópico - Que saudades eu tenho da aldeia da minha infância!

Forum Gralheira de Montemuro

www.gralheira.net
Data/Hora: 18 nov 2017, 12:53

Os Horários são TMG [ DST ]




Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 1 Mensagem ] 
Autor Mensagem
Mensagem não lidaEnviado: 23 mar 2007, 21:59 
Desligado
Site Admin
Avatar do Utilizador

Registado: 04 nov 2006, 11:20
Mensagens: 113
Sentado no alto do Outeiro do Mouço, vou contemplando a minha Gralheira, ali, em frente, bonita, airosa, mais crescida, com prédios novos a invadir campos e cabeços. De repente, a minha imaginação recua no tempo e deixo desfilar na memória as mais belas imagens da minha infância e mocidade, já tão distantes. Parece que estou a ver aquela aldeia cinzenta, de paredes graníticas enegrecidas e gastas pelo tempo, com coberturas de colmo.

Apenas meia dúzia de casas com telha, a perderem-se naquele universo de colmados escuros, a confundir-se com a paisagem envolvente. A escuridão da noite só era quebrada pela luz mortiça das candeias a petróleo, que, do interior das casas, espreitava por janelas e postigos e pelo luar, em noites de Lua Cheia. Apesar das ruas lamacentas e desniveladas, os rapazes faziam arruadas, a tocar e a cantar e serenatas às moças casadoiras. Onde se cozia a fornada, a casa estava quente e à noite havia serão. Nele participavam os familiares, vizinhos, amigos e toda a rapaziada. As mulheres fiavam linho e lã, faziam camisolas e meias, enquanto os homens se entretinham com o jogo das cartas. Às vezes contavam histórias ou cantavam em coro até à meia noite, altura em que acabava o serão. No final, havia bolas - grossas e delgadas - feitas a propósito para serem consumidas no fim do serão.

Muita coisa mudou, não só no aspecto físico da povoação e da paisagem, mas também nas tradições, hábitos e costumes. Nos casamentos, quando os noivos se preparavam para o matrimónio, o padre lia os banhos na Missa, de três domingos seguidos. Os noivos, para não se sentirem constrangidos, iam à Missa à freguesia vizinha, à Panchorra. De harmonia com o estipulado, o pagamento ao padre, por ler os banhos, era feito com uma galinha.

Depois de cada casamento, mais uma ave habitava a capoeira do Sr. Abade. No dia do casamento, o noivo não esperava pela noiva na Igreja. Saíam ambos de casa dela, lado a lado, seguidos de todo o cortejo nupcial e, às vezes, com um grupo de raparigas da acção católica a entoar cânticos religiosos até à Igreja. Não havia prendas, a não ser de algum convidado que viesse de fora. Os da terra, apenas contribuíam com um carneiro, cabra, ovelha ou galo, para a jantarada. Às vezes, as rezes abatidas eram tantas, que até se esqueciam de algumas, como aconteceu num casamento em que, por esquecimento, ficou um carneiro dependurado na loja da residência paroquial e que só foi encontrado dias depois, quando o padre já não suportava o mau cheiro em casa. Não havia restaurantes e, por isso, as bodas eram feitas em casa e servidas em salas amplas, para que todos pudessem ter lugar à mesa. As noivas não iam de branco. Normalmente, vestiam fato azul, cinzento ou verde.

Os cortejos nupciais faziam-se aos pares. Cada cavalheiro teria que arranjar o seu par e tanto o noivo como os restantes eram portadores de um grande guarda-chuva, para protegerem a sua dama, tanto do sol como do mau tempo. A partir do fim da década de quarenta, passaram então algumas noivas a ir de branco, mas só se o merecessem, porque se houvesse conhecimento da falta de virgindade, já iam à capucha, como era costume dizer-se. Já não havia boda nem convidados; apenas os padrinhos e familiares em primeiro grau.

Depois de casados, como não havia prendas, tinham que "começar a vida do nada". Os pais, quando podiam, lá lhes davam duas panelas de ferro, de três pernas, uma prateira, dois pratos, algumas colheres de folha e garfos de ferro, ferrugentos, com a marca do "Pojeira" de Cutelo, para terem onde cozinhar e comer. Umas mantas e lençóis para se cobrirem e um colchão, muitas vezes já remendado, cheio com palha de centeio. A cama faziam-na de uns paus de amieiro, ainda verdes, acabadinhos de cortar, para não ganharem percevejos. Se encontravam uma casita para morar e umas terras para cultivarem a meias, já se davam por felizes no seu novo lar. A casa era simples. Além da lareira e do forno, indispensáveis em qualquer cozinha antiga, havia um armário tosco, onde guardavam a louça e talheres, sempre ao alcance da mulher. Do lado do homem, a mesa de descer, onde guardavam a broa e onde comiam. Havia ainda o caneco da água, em madeira, a cama para dormirem, algumas caixas e a salgadeira, quando não tinham despensa. À medida que a família ia crescendo, assim aumentava o número de camas na cozinha, quando não tinham outro, compartimento. Casas de banho... bom, isso era nos campos ou em algum quelho próximo. Para as necessidades mais urgentes, sobretudo durante a noite, havia os penicos, de barro e de esmalte. Quando partiam alguma peça de louça ou penico de barro, não os deitavam fora. Havia o "compostor" de louça para a consertar, como o "Pojeira" de Cutelo. Furava o barro com uma broca, accionada por uma bomba manual e aplicava-lhe uns gatos. Certo dia, estava o "Pojeira" a tentar consertar um penico de barro, mas como já tinha bebido uns copitos, não o conseguia e então "dizia que o penico estava empenado". Nesses recuados tempos, cada casal tinha muitos filhos, raramente menos de seis e alguns com 12 e 13. Como não há via emigração, a não ser alguns para o Brasil, a Gralheira tinha mais de 400 pessoas, enquanto hoje anda à volta das 170, residentes permanentes. Dantes a vida era dura porque as pessoas viviam apenas do que a terra produzia e quando o ano agrícola era mau, havia fome, como aconteceu nos anos da segunda grande guerra mundial. Mas havia solidariedade e as pessoas ajudavam-se mutuamente, mesmo entre os jovens pastores, com 11 e 12 anos, que no Montemuro guardavam os seus rebanhos. Uma adolescente de 12 anos sabendo que as suas companheiras de pastoreio não tinham pão, ela que o tinha, enchia a cesta de pão, para repartir com elas.

Hoje, aos mais novos, pode parecer-lhes que "estou a pintar" este quadro demasiado negro, mas os mais idosos sabem que era assim, E se falo nestas coisas, é para que a gente nova fique a conhecer melhor os sacrifícios que seus pais e avós tiveram de fazer para comerem um pedaço de pão. Pão bem duro, era o chamado "pão que o diabo amassou". A vida não foi sempre o mar de rosas que hoje é e de que tantos ainda se queixam.

Desde então, muita coisa mudou para melhor, nas condições de vida, em termos financeiros. O progresso, esse monstro que transpõe serras e montanhas, chegou às aldeias mais recônditas e isoladas, como a nossa Gralheira. Mas quantas coisas belas se não perderam nas ondas do progresso, na voragem do tempo? As pessoas são a coisa mais importante que uma terra pode ter, mas a Gralheira vê a sua gente sair, rumo à Suíça, ficando a aldeia com uma população envelhecida e desprotegida.

A política dos governantes é concentrar a população nas grandes cidades do litoral e abandonar as terras do interior ao seu destino, à morte. O interior é selva, é terra de ninguém. Fecham-se escolas, hospitais, centros de saúde, maternidades, enfim, o abandono total. Muitas aldeias já morreram e em breve a Gralheira, e outras, terão o mesmo destino.
Que saudades eu tenho da minha aldeia coberta de colmo!

Sentado à beira da piscina
Vou lembrando doces recordações
A bailar na água cristalina
Vão fugindo as minhas ilusões.

Meu coração entristecido já não canta
Já se foi para longe a felicidade
A tristeza mais profunda se levanta
Em remoinhos de amargura e saudade.


Gralheira, 24 de Janeiro de 2007
Carlos de Oliveira Silvestre

"Ecos da Gralheira", Jornal “Miradouro” Nº 1596 e 1597 de 16 e 23 de Março de 2007


Topo
 Perfil Enviar Mensagem Privada  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 1 Mensagem ] 

Os Horários são TMG [ DST ]


Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante


Criar Tópicos: Proibido
Responder Tópicos: Proibido
Editar Mensagens: Proibido
Apagar Mensagens: Proibido

Ir para:  
cron
Desenvolvido por phpBB® Forum Software © phpBB Group
Traduzido por phpBB Portugal